Os miradouros de Almada. Parte 2.

ma 2

Apreciada a mais abrangente vista da capital e margem sul é tempo de continuar o percurso, agora pelo centro histórico da cidade de Almada.

O próximo ponto de interesse ao qual me dirijo é a Ermida do Mártir São Sebastião, no Largo das Andorinhas, ao qual chego após ter percorrido a Rua D. João de Castro e a Rua dos Espatários. Construída no século XVI e integralmente reconstruída no século XVIII, após o terramoto de 1755, foi durante muitos anos conhecida como a “capelinha das andorinhas”, por estar localizada no largo homónimo. Em 1993 foi adquirida pela Câmara Municipal de Almada, encontrando-se na altura bastante danificada, tendo inclusivé funcionado como taberna. A inauguração da reconstruída Ermida de São Sebastião realizou-se no dia 25 de Julho de 2009.

andorinhas

Continuo pela Rua Capitão Leitão onde, no nº 64, observo o edifício do cine-teatro Almadense que albergou a maior sala de cinema do país, com capacidade para 838 lugares, desactivada em novembro de 2007. O próximo local onde me detenho é o chafariz do antigo Largo do Catita, hoje conhecido como Largo José Alaiz (1894-1974), figura do associativismo local e fundador do “Jornal de Almada”, cujo primeiro número foi editado a 1 de janeiro de 1927. Até à década de trinta do século XX este local acolheu o mercado de peixe, tendo este chafariz, o primeiro da vila, sido construído em 1922 por iniciativa de Alfredo Simões Pimenta (presidente da Câmara também responsável pela instalação de iluminação pública). Até então o abastecimento de água era feito por aguadeiros que a carregavam da Fonte da Pipa em barris que vendiam de porta em porta.

alaiz

Sigo pela Rua Bulhão Pato e a próxima paragem é no Largo das vítimas de 26 de agosto de 1931. Este local, cuja calçada é ornamentada por papagaios de papel, presta homenagem às crianças que aqui morreram nessa data, vitimadas pelo rebentamento de uma bomba ali lançada por engano na sequência do raide aéreo falhado à bateria do forte de Almada.

papagaios

“A 26 de Agosto de 1931 o forte de Almada foi bombardeado. O aviador falhou o alvo e uma das bombas caiu neste largo matando algumas das crianças que aqui brincavam, as quais nunca mais voltaram a lançar os seus papagaios”.

Prossigo pela Rua Latino Coelho, uma das artérias reconstruídas após o terramoto de 1755, e poucos metros adiante subo a escadaria que leva até ao Largo Luís de Camões e aos Paços do Concelho. Este bonito edifício, com construção iniciada em 1795 para servir como câmara, tribunal, finanças e cadeia, foi concluído cerca de 1832. Possuí um curioso traçado, resultante do possível reaproveitamento da torre e de outros elementos, num difícil compromisso com o estilo pombalino. A entrada principal é encimada por uma escultura em relevo do escudo de D. Maria (1777-1799), e a torre ainda ostenta o sino que servia o relógio, oferecido pela mesma.

camara

Com sede na R. Capitão Leitão e vizinha dos Paços do Concelho, a Incrível Almadense é a mais antiga associação do concelho em actividade. Foi fundada a 1 de outubro de 1848 por um grupo de almadenses, operários de diversos ofícios, com vista à ocupação recreativa de tempos livres. Inaugurou, em 1926, o primeiro edifício do concelho para projecção de cinema, o Cine-Teatro com salão e plateia, cuja fachada tem impressa uma estética modernista muito datada. O edifício sofreu algumas alterações ao longo do tempo, as últimas das quais foram realizadas em 1961 para instalar o cinemascópio. No decurso das suas actividades, a Incrível Almadense tem desenvolvido uma série de valências culturais e desportivas, marcando a vida associativa de Almada.

incrivel

O quarto e último miradouro deste percurso situa-se no Jardim do Castelo, espaço envolvente da fortificação à qual deve o seu nome. Desde sempre ligado aos conceitos de contemplação e festividade, é um dos marcos mais importantes da cidade, ao qual acedo pela Rua Henriques Nogueira. Durante muito tempo, os 2.765 m2 deste jardim foram palco das comemorações dos Santos Populares, onde não faltavam concertos e animados bailes no coreto central, renovado em 1987. Contíguo ao jardim fica a Igreja de Santiago, edificada fora das muralhas do castelo no início do século XIII. O templo sofreu ao longo dos séculos numerosas intervenções, acompanhando as mudanças de gosto e mentalidade de sucessivas gerações de almadenses, sendo a igreja que menos sofreu com o terramoto de 1755. Na fachada ainda conserva o escudo de Santiago e a capela-mor é representativa do estilo pós-manuelino. Apesar da construção da nova igreja de Almada continua aberta ao culto, servindo também de apoio a uma associação de assistência social.

castelo

Embora o espaço sempre tenha primado pela beleza natural e amplitude das suas vistas, a requalificação levada a cabo pela autarquia ampliou o potencial deste jardim debruçado sobre a escarpa, tornando-o num espaço ainda mais sedutor e delicado, ponto ideal para observar o estuário tagano.

castelo1

(2/3)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s