circuito lisboa trail #buff#

circuito lisboa trail. fórmula de sucesso!

Este ano participei na 2ª edição do Circuito Lx Trail by Buff e fiquei muito bem impressionado quer com o conjunto de provas que o integraram, quer com a organização num sentido amplo. Foram 6 etapas que decorreram entre 21 de janeiro e 17 de junho, distintas entre si, mas com um factor comum a todas: a grande adesão de participantes.

O facto de cada etapa ser constituída por duas provas competitivas – curta e longa – foi um dos factores de sucesso, ao permitir a opção pela prova mais de acordo com as capacidades físicas de cada um.

Mas nada melhor do que os números (atletas classificados nas provas curta e longa) do circuito para validar esta constatação:

Lousa – tc 389 / tl 354

Almada – tc 532 / tl 368

Belas – tc 541 / tl 400

Cascais – tc 571 / tl 389

Monsanto – tc 641 / tl 349

Ota – tc 233 / tl 133

tc total 2.908 / tl total 1.993

No total das duas provas classificaram-se 4.901 atletas, um número do qual os organizadores muito se devem orgulhar.

A 3ª edição do Circuito Lx Trail apresenta novos locais e um calendário revisto, bem como um novo patrocinador. De saída está Almada e entram Palmela (17 fev), Mafra (10 mar), Loures (14 abr), Setúbal (28 abr) e São João das Lampas (11 mai), passando o total de etapas para 10 que se realizarão entre 20 de janeiro e 21 de julho. As inscrições para o circuito completo custam 150€ para o trail longo e 110€ para o trail curto, sendo igualmente possível a inscrição prova a prova.

Uma fórmula de sucesso que certamente terá continuidade na edição de 2019.

circuito lisboa trail. ota

O pano desceu sobre o Circuito Lisboa Trail e a última prova foi… uma fornalha!

Por uma questão de dias a totalidade das etapas não se realizaram com temperaturas amenas. Porém, para a 16ª Corrida do Mirante, estava destinado um dia quente (muito quente mesmo), o que tornou ainda mais difícil um percurso já por si muito exigente. Talvez, na minha opinião, o mais exigente dos seis que compuseram o circuito.

No entanto não foram as dificuldades acrescidas que tiraram mérito à prova. O percurso decorreu por bonitas e variadas paisagens, à excepção da enorme pedreira, qual “ferida” a céu aberto, em gritante contraste com a natureza frondosa. Para rematar a jornada o célebre “prémio da montanha”, uma demolidora subida de 800 metros que termina no símbolo da prova, o miradouro do Cabeço do Pardal, situado a 170 m de altura e de onde se avista toda a área em redor numa espectacular panorâmica.

No respeitante à organização tudo a bom nível, apenas algumas hesitações (decorrentes das condições climatéricas) relativamente aos horários, mas que foram resolvidas sem prejuízo de maior para os participantes.

A minha prova decorreu dentro do previsto e completei os 11,3 km do percurso em 1h35m. O possível face à canícula que se fez sentir, em que me preocupei apenas em chegar ao fim sem grandes empenos.

O Circuito Lisboa Trail 2018 está feito e com ele o primeiro desafio desportivo a que me propus para este ano.